Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

PRODUÇAO DE MUDAS DE ESTACAS DE MARACUJAZEIRO-DOCE (PASSIFLORA ALATA)

Introdução

Aos exemplares pertencentes ao gênero Passiflora, são nomeados e reconhecidos como maracujazeiro. Sendo um gênero que apresenta uma elevada variabilidade, aproximadamente 520 espécies, onde a grande maioria está disseminada nas Américas (CERQUEIRA – SILVA et al., 2014). A produção de maracujá está representada em todos os estados brasileiros e no Distrito Federal (PETRY et al., 2018). Em 2019, a área plantada no Brasil foi de 41.800 hectares, tendo uma produção total estimada em 593.429 toneladas, com rendimento médio de 14,271 t ha-1, onde ofereceu um incremento de aproximadamente R$ 1,1 bilhões de reais no valor da produção. (PAM/IBGE, 2021).
O maracujazeiro pode ser propagado de forma assexuada, por meio de enxertia, estaquia ou cultura de tecidos ou de forma sexuada, via sementes (SILVA et al., 2015). Sendo a propagação sexuada o método mais usual de obtenção de mudas da espécie, contudo é comum relatos de desuniformidade na formação do estande, devido a fatores relacionados à germinação baixa e irregular, além de uma possível dormência, que dificulta a formação de mudas uniformes e de qualidade (PEREIRA; DIAS, 2000).
A propagação assexuada fundamenta-se na reprodução vegetativa de frações de plantas, com o intuito de obter-se a clonagem de mudas de qualidade genética superior, idênticas à planta matriz, uma vez que não acontece o rearranjo genético, em virtude de fazer uso dos fragmentos vegetativos como caule, folhas ou raízes (ZUFFELLATO RIBAS; RODRIGUES, 2001; FERRARI et al., 2004; HARTMANN et al., 2011).
A produção pelo método assexuado é uma possibilidade viável e possível, em razão do uso de estacas enraizadas (MELETTI, 2002). A estaquia é uma propagação por via vegetativa, onde corresponde à remoção de frações do maracujazeiro, que possuem entre 2 ou 3 gemas, para o enraizamento. Este método apresenta vantagens como a fidelidade genética para a conservação de características da planta doadora, como produção/produtividade e/ou florescimento precoce (JUNGHANS et al., 2016).
O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito de diferentes concentrações de ácido-indolbutírico (AIB) na propagação de estacas de maracujazeiro-doce (Passiflora alata).

Resumo

O gênero Passiflora apresenta uma elevada variabilidade, aproximadamente 520 espécies, sendo a grande maioria disseminada nas Américas. O maracujazeiro pode ser propagado de forma sexuada ou assexuada. A propagação assexuada fundamenta-se na reprodução vegetativa de partes das plantas como caule, folhas ou mesmo raízes. O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito de diferentes concentrações de ácido indolbutírico (AIB) na propagação de estacas de maracujazeiro-doce (Passiflora alata). O delineamento utilizado foi em blocos completamente casualizados, sendo os tratamentos nas concentrações de 0,0; 0,5; 0,75; 1,0 g l-1. Foram avaliados a porcentagem de sobrevivência de estacas, números de plantas brotadas, números de brotos, números de folhas e volume de raiz no nonagésimo dia após o plantio. Os resultados obtidos sugerem que não há necessidade de recomendação de uso do ácido-indolbutírico (AIB) para propagação vegetativa de estacas de P. alata. As estacas do tratamento testemunha apresentaram um maior número de folhas entre todos os tratamentos. O tratamento com a concentração 0,75 g l-1 de AIB, exibiu um menor volume cúbico de raízes, quando comparado aos demais tratamentos.

Objetivos

O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito de diferentes concentrações de ácido-indolbutírico (AIB) na propagação de estacas de maracujazeiro-doce (Passiflora alata).

Material e Método

O estudo foi realizado na Estação Experimental de Urussanga – EEUr da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – EPAGRI, localizada nas coordenadas geográficas (28º52’27,53” S e 49º32’11,22” O), Santa Catarina.
O material vegetativo utilizado foi extraído de matrizes cultivadas em ambiente protegido com tela antiafídeo e em vasos (12 litros) com substrato de turfa negra corrigida. As estacas foram cortadas com auxílio de tesoura de poda, com tamanho de 15 centímetros de comprimento, com duas gemas e com a última folha apical com redução de 70% da área foliar. Esta redução da área foliar teve como objetivo, evitar e/ou diminuir as perdas de água para o ambiente, por evapotranspiração.
Foram realizados cortes com canivete, em bisel na extremidade inferior das estacas e tratadas, pela imersão solução hidroalcoólica de diferentes concentrações de ácido-indolbutírico – AIB (0,0; 0,5; 0,75; 1,0 g l-1 , respectivamente), durante dez segundos, sendo que as estacas do tratamento testemunha não foram tratadas por imersão. O plantio das estacas foi realizado em 25 de maio de 2021, em tubetes com substrato de turfa negra corrigida e casca de arroz carbonizada na proporção de 1:1. Posteriormente, foram mantidas em ambiente sombreado por um período de 30 dias para que houvesse uma diminuição da evapotranspiração das estacas.
O delineamento utilizado foi em blocos completamente casualizados, sendo os tratamentos nas concentrações de 0,0; 0,5; 0,75; 1,0 g l-1. Foram avaliados a porcentagem de sobrevivência de estacas, números de plantas brotadas, números de brotos, números de folhas e volume de raiz no nonagésimo dia após o plantio. A análise da variância foi realizada com o auxílio do software computacional Rbio ® e as médias foram comparadas entre si mediante ao Teste de Tukey.

Resultados e discussão

Os tratamentos não se diferenciaram significativamente em relação às respostas quanto às variáveis: sobrevivência e estacas brotadas nas diferentes concentrações testadas com AIB e a testemunha (Figura 1). De forma semelhante Araujo et al., (2010), em seu estudo com Passiflora cincinnata Mast. mostrou resultados significativos para a sobrevivência de estacas foram na ausência de AIB. Da mesma forma, Lima et al., (2021), recomendam em seu trabalho a ausência de enraizadores como o AIB em estacas de Passiflora edulis e, também indicam o emprego de estacas com folhas.

Figura 1. Sobrevivência e estacas brotadas de maracujazeiro-doce sob diferentes concentrações de ácido-indolbutírico.

Em nosso estudo (Figura 2), os tratamentos com AIB apresentaram menor número de folhas por estacas enraizadas em relação à testemunha. Corroborando os resultados de Lima et al., (2009), onde o maior número de folhas em estacas do híbrido P. coccinea x P. edulis foi apresentado pela testemunha, ou seja, sem tratamento com AIB.
O tratamento com AIB na concentração de 0,75 g l-1 mostrou um menor volume cúbico de raízes, entre todos os tratamentos.


Figura 2. Número de folhas de estacas e volume de raízes (ml/planta) de maracujazeiro-doce sob diferentes concentrações de ácido-indolbutírico.

Conclusões/Considerações Finais

I – Não recomenda-se o uso de ácido indolbutírico (AIB) com a finalidade de propagação de estacas de P. alata.
II – O tratamento testemunha apresentou um maior número de folhas em relação aos demais tratamentos.
III – O tratamento com a concentração 0,75 g l-1 de ácido-indolbutírico (AIB), exibiu um menor volume cúbico de raízes, quando comparado aos demais tratamentos.

Referências Bibliográficas

CERQUEIRA – SILVA, C.B.M; JESUS, O. N.; SANTOS, E. S.L. CORRÊA, R. X.; SOUZA, A. P. Genetic Breending and Diversity of the Genus Passiflora: Progress and Perspectives in Molecular and Genetic Studies. Int. J. Mol. Sci., v. 15, p. 14122-14152, 2014. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4159842/pdf/ijms-15-14122.pdf> Acesso em: ago. 2021.
FERRARI, M. P.; GROSSI, F.; WENDLING, I. Propagação vegetativa de espécies florestais. Documentos 94. Colombo – Pr: Embrapa Florestas, 2004. 22 p.
HARTMANN, H. T.; KESTER, D. E.; JUNIOR DAVIES, F. T.; GENEVE, R. L. Plant propagation: principles and practices. 8th. ed. New Jersey: Englewood Clipps, 2011. 900 p.
JUNGHANS, T. G., JESUS, O. N., GIRARDI, E. A., FALEIRO, F. G. Maracujá: o produtor pergunta, a Embrapa responde. Brasília, DF: Embrapa, 2016. 341 p.
LIMA, A. de et al. Enraizamento de híbridos interespecíficos de maracujá utilizando regulador de crescimento AIB (ácido indol-butírico). Embrapa Cerrados, 2009. Disponível em: <https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/78162/1/p2009-050.pdf>. Acesso em: 05 set. 2021.
LIMA, L. C. de et al. Doses de AIB no enraizamento de estacas de maracujá. Research, Society and Development, Vargem Grande Paulista, v. 10, n.3, p. 1 – 7, mar. 2021. Disponível em: <https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/13209/11940 >. Acesso em: 09 set. 2021.
MELETTI,L. M. M.,FURLANI, P.R., ÁLVARES, V.,SOARES-SCOTT, M.D.,BERNACCI, L.C.,& AZEVEDO FILHO, J. A. (2002). Novas Tecnologias Melhoram a Produção de Maracujá. O Agronômico, 54 (1), 30-33.
PAM/IBGE. Produção Agrícola Municipal (vários anos) Rio de Janeiro: IBGE, 2021. Disponível em: <https://sidra.ibge.gov.br/tabela/5457#resultado>. Acesso em: 09 jun. 2021.
PEREIRA, K.J.C.; DIAS, D.C.F.S. Germinação e vigor de sementes de maracujá-amarelo
(passiflora edulis sims. f. flavicarpa deg. ) submetidas a diferentes métodos de remoção de
mucilagem. Revista Brasileira de Sementes, vol. 22, n. 1, p.288-291, 2000.
PETRY,B. H.; JUNIOR, G. R.; ALMEIDA, de B. V. G.; MARCHESI, R. D. A importância da cultura do maracujazeiro: aspectos econômicos da produção e mercado. In: PERUCH, Martins Augusto Luiz; SCHROEDER, Anne-Lore. Maracujazeiro-azedo: polinizadores, pragas e doenças. Florianópolis: Epagri, 2018. p. 13 - 24.
SILVA, J.P.N.; CENTENO, D.C.; FIGUEIREDO-RIBEIRO, R.C.L.; BARBEDO, C.J.
Maturation of seeds of Poincianella pluviosa (Caesalpinoideae). Journal of Seed Science,Londrina, v.37, n.2, p.131-138, 2015.
ZUFFELLATO-RIBAS, K. C.; RODRIGUES, J. D. Aplicação de ácido indol butírico e co-fatores do enraizamento em estacas herbáceas de eucalipto. SBPN – Scientfic Journal, p.134-136, 2001.

Palavras Chave

Ácido indolbutírico, Propagação assexuada, Volume de raízes, Número de folhas.

Arquivos

Área

Grupo I: Produção Agrícola (Vegetal)

Instituições

Centro Universitário Barriga Verde - UNIBAVE - Santa Catarina - Brasil, EPAGRI - Santa Catarina - Brasil

Autores

FABIO FELTRIN FABRO, GUSTAVO CITTADIN MAZUCCO, HENRIQUE BELMONTE PETRY, EDUARDO DA COSTA NUNES, DIEGO DA SILVA ADÍLIO