Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

UM ESTUDO SOBRE O HEDGE DO BEZERRO E O HEGDE DE BOI GORDO EM NEGOCIAÇOES DE MERCADO FUTURO.

Introdução

É notória a dificuldade dos produtores de bovinos de corte em lidar com cenários incertos de formação de preços no mercado físico, primordialmente em regiões onde bovinos são produzidos e comercializados, o que gera a necessidade de se proteger contra as constantes oscilações de preços e para isso são utilizadas as operações de hedge em mercados futuros.
Os contratos de derivativos agropecuários, no Brasil, são negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros. Os mercados de derivativos, no geral, ajudam a minimizar os riscos de variações discrepantes nos preços (SCHOUCHANA E PEROBELLI, 2000).
Em outubro de 2002 a BM&F passou a oferecer, aos agentes deste sistema a possibilidade de negociação de contratos de bezerro, além do boi gordo.
Com isso, o presente trabalho tem por objetivo analisar as operações de hedge de bezerro e de boi gordo no mercado futuro (BM&F), para a realização do estudo foram utilizados dados extraídos do CEPEA, referentes a todos os meses dos anos de 2014 a 2020. Buscou-se aferir como hedge de bezerro e de boi gordo podem ser efetivos para a negociação em mercados futuros por meio de estudos e cálculos de algumas variáveis que permitam a análise.

Resumo

O presente estudo buscou analisar as operações do hedge de boi gordo e de bezerro em operações de contratos futuros negociados na BM&F no período de janeiro de 2014 a dezembro de 2020. A partir dos dados e valores de comercializações em contratos negociados neste período, retirados do CEPEA/B3, tornou-se possível realizar alguns cálculos de variáveis fundamentais para a análise do risco inerente à realização deste tipo de operações e sua efetividade. Conclui-se que as operações de hedge em mercados futuros são fundamentais para gestão de riscos, porém esses são superiores em operações de bezerro em comparação com contratos similares do mesmo período para o boi gordo.

Objetivos

o presente trabalho tem por objetivo analisar as operações de hedge de bezerro e de boi gordo no mercado futuro (BM&F), para a realização do estudo foram utilizados dados extraídos do CEPEA, referentes a todos os meses dos anos de 2014 a 2020. Buscou-se aferir como hedge de bezerro e de boi gordo podem ser efetivos para a negociação em mercados futuros por meio de estudos e cálculos de algumas variáveis que permitam a análise.

Material e Método

Para a realização do presente estudo, foi feito um levantamento dos preços futuros na BM&F no período de safra e de entressafra, durante todos os meses de janeiro de 2014 à dezembro de 2020, para cálculo da variância da base (risco de base) no período demais cálculos que permitissem análises mais aprofundadas. Foram coletados também alguns dados de cotações físicas de estados pela CEPEA, e dados de exportações pelo SECEX, ambos extraídos do CEPEA. A partir dos dados coletados tornou-se possível o cálculo da base média geral e o risco de base para as operações de hedge dos preços do boi gordo, de acordo com os vencimentos dos contratos futuros de boi gordo da BM&F por meio da seguinte equação:
b_1= S_1-F_1
Para calcular como o risco de base se difere entre o boi gordo e o bezerro e entre as regiões consideradas, utilizou-se um modelo de regressão conhecido MMQO, este modelo pode ser calculado por meio da seguinte equação:
In〖(S〗_(BASE ij))= α〖Tipo〗_i+ ∑_(j=1)^8▒β_j L_j+u_ij
Foi então calculada a razão ótima pela metodologia proposta por Myers & Thompson (1989), que descrevem que as razões ótimas de hedge podem ser obtidas pela estimação da equação:
∆P_t= α+δF_t+∑_(i=1)^p▒β_i ∆P_(t-1)+∆γF_(t-1)+u_t
É importante destacar que, como as séries de preço do boi gordo e do bezerro se tornaram estacionárias somente na primeira diferença, as regressões ocorreram com as variações dos preços à vista e futuro. Para diferenciar as razões de hedge entre os períodos de safra e entressafra, foi estimado a equação:
∆P_t= α+δF_t+∑_(i=1)^p▒β_i ∆P_(t-1)+γ∆F_(t-1)+γD_i ∆F_t+u_t
Para a realização das tabulações e operações foi realizado os programas Rstudio e Power BI.

Resultados e discussão

O Indicador do boi gordo CEPEA/B3 trata-se de um indicador formado por uma média diária ponderada de preços por arroba à vista de boi gordo.
A partir dos dados coletados tornou-se possível calcular e tabular o valor médio da base e risco da base por região. Esta análise representa o risco de se realizar o hedge dos preços do boi gordo e o hedge dos preços do bezerro no mercado futuro. Por meio desses procedimentos torna-se possível observar a diferença entre estas operações. É importante destacar que algumas regiões não apresentam animais e por isso não foram atribuídos valores.
Na Tabela 1 são apresentados os resultados do valor médio da base e do risco de base associados às operações de hedge do boi gordo e de hedge do bezerro, pode-se observar que o valor médio da base do bezerro é bastante superior em relação aos valores do boi gordo em todas as regiões de análise. Observa-se ainda que o risco de base nas operações de hedge é muito superior ao risco associado ao hedge do boi gordo.
TABELA 1 – Valor médio e risco de base
Região Valor Médio da Base Risco da base
Bezerro Boi Bezerro Boi
Araçatuba 2.01 -0.07 340.53 12.00
Bauru/Marília 2.28 -0.06 7976.13 22.59
Cáceres 1.83 -0.15 1406.38 15.35
Colider 1.63 -0.13 819.20 36.48
Cuiabá 1.86 -0.09 34.03 23.54
Noroeste do Paraná 2.11 -0.11 774.40 17.38
Norte de Goiás -0.05
Norte de Minas 1.87 -0.14 720.10 0.74
Oeste da Bahia 5.94
Presidente Prudente 1.97 -0.11 1513.04 13.89
Rio Grande do Sul 1.96 -0.30 915.20 3.08
Rondonópolis 1.88 -0.17 418.78 3.77
São José do Rio Preto 1.99 -0.09 19.34 7.61
Sorriso 2.07
Triângulo Mineiro 2.59 -0.10 5302.32 17.07
Vale do Paraíba -0.05
Fonte: Elaborado pelo autor.
O risco de base se difere entre o boi gordo e o bezerro e entre as regiões analisadas, foi estimado um modelo de regressão pelo Método dos Mínimos Quadrados Ordinários (MMQO), onde o desvio padrão da base na semana de vencimento do contrato é expresso em função de variáveis binárias, chegando aos seguintes resultados:
TABELA 2 – Resultados do modelo de MQO
Variáveis Coeficientes t-statistic
Produto -6.034004 -25.106
Araçatuba -0.007965 -0.031
Bauru Marília 0.072137 0.3
Cáceres -0.103412 -0.406
Colíder -0.219988 -0.915
Cuiabá -0.0803 -0.315
Noroeste do Paraná 0.040583 0.174
Norte de Goiás 0 0
Norte de Minas -0.076362 -0.3
Oeste da Bahia 1.083098 3.68
Presidente Prudente -0.036026 -0.155
Rio Grande do Sul -0.034662 -0.144
Rondonópolis -0.073683 -0.317
São José do Rio Preto -0.010521 -0.041
Sorriso 0.03129 0.106
Triângulo Mineiro 0.221685 0.972
Vale do Paraíba 0 0
Fonte: Elaborado pelo autor.
O próximo passo se tratou de encontrar a razão ótima pela metodologia proposta por Myers & Thompson (1989), qual seja, estimar o modelo AR, por meio das equações dispostas na metodologia deste trabalho.
TABELA 7 – Razão ótimas para boi gordo
Variáveis Coeficientes t-valor P valor
Constante 1.20396 0.226 0.82174
∆P_(t-1) -0.62554 -7.154 4.00E-10
∆F_t 0.90149 2.4 0.01879
∆F_(t-1) 1.13505 3.04 0.00322
Fonte: Elaborado pelo autor.
TABELA 8 – Razão ótima para boi gordo (safra e entressafra)
Variáveis Coeficientes t valor P valor
Constante -14.1604 -1.577 0.118943
∆P_(t-1) -0.61786 -7.175 4.10E-10
∆F_t 1.05805 1.792 0.077106
∆F_(t-1) 1.46507 3.716 0.000385
D∆F_t 0.18966 0.247 0.805421
Fonte: Elaborado pelo autor.
TABELA 9 – Razão ótima para bezerro
Variáveis Coeficientes t-valor P valor
Constante -4.2158 -0.145 0.88505
∆P_(t-1) -0.3874 -3.261 0.00165
∆F_t 20.5151 11.812 < 2e-16
∆F_(t-1) 8.1175 2.602 0.01109
Fonte: Elaborado pelo autor.
TABELA 10 – Razão ótima para bezerro (safra e entressafra)
Variáveis Coeficientes t valor P valor
Constante 75.60064 2.354 0.02115
∆P_(t-1) -0.49511 -4.964 4.13E-06
∆F_t 7.17176 2.778 0.00689
∆F_(t-1) 14.06369 5.142 2.06E-06
D∆F_t 18.48221 5.967 7.19E-08
Fonte: Elaborado pelo autor.

Conclusões/Considerações Finais

A comercialização de contratos futuros de boi gordo e bezerro na BM&F e o uso das ferramentas de hedge tratam-se de formas de gerir risco e, por isso, antes de se optar por esse tipo de operações, é importante que o investidor avalie algumas variáveis e saiba como se comporta este tipo de mercado.
O presente estudo apurou que o hedge de bezerro apresentou um risco de base significativamente superior àquele visto no hedge de boi gordo, entretanto o valor médio da base do bezerro também se mostrou significativamente superior. Por meio do modelo de regressão pelo Método dos Mínimos Quadrados Ordinários (MMQO), foi possível observar que o desvio padrão da base na semana de vencimento do contrato é expresso em função de variáveis binárias, comparando o risco base do bezerro e do boi gordo, demonstrando que ainda existe uma significativa divergência entre os riscos bases das duas operações.
Com isso, é possível concluir que o uso das ferramentas de hedge (tanto do boi gordo quanto do bezerro) mostra-se efetiva para a gestão de riscos e a comercialização de contratos futuros mostra-se uma excelente alternativa para os pecuaristas. Acrescenta-se ainda que, no caso do bezerro, o risco baixo mostra-se elevado em relação ao boi gordo, o que pode estar relacionado à sua recente entrada na carteira de contratos futuros comercializado na BM&F o que faz com que o boi gordo tenha mais dados históricos e experiência por parte dos investidores, o que permitem negociações mais assertivas e seguras.

Referências Bibliográficas

HULL. J. C. Fundamentos dos mercados futuros e de opções. 4. ed. São Paulo: Bolsa de Mercadorias e Futuros, 2005.
MYERS, R. J.; THOMPSON, S. R. Generalized optimal hedge ratio estimation. American Journal of Agricultural Economics. vol. 71, n.4, p. 858–868, 1989.
NETO, O.J.O.; FIGUEIREDO, R.S.. Análise das Operações de Hedge do Boi Gordo no Mercado Futuro da BM&F para o Estado de Goiás. Revista Gestão e Planejamento , Salvador, v. 9, n. 1, p. 77-93, jan/jun. 2008.
SCHOUCHANA, F.; CAFFAGNI, L.C. Fatores que determinam o preço do bezerro. Resenha BM&F, n.143, p.67-75, 2001.
SCHOUCHANA, F.; PEROBELLI, F.S. O financiamento da agricultura e o mercado futuro. Resenha BM&F, n.142, p.78-81, 2000.
SILVEIRA, R.L.F.; FILHO, J.B.S.F.. Análise das Operações de Cross Hedge do Bezerro e do Hedge do Boi Gordo no Mercado Futuro da BM&F. Revista de Economia e Sociologia Rural, [S. l.], v. 41, n. 4, p. 881-899, 2003.

Palavras Chave

mercado futuro, hedge, boi gordo, BM&F.

Arquivos

Área

Grupo VII: Gestão e economia rural

Autores

GERALDO COSME DO PRADO NETO