Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

RISCO CLIMATICO PARA A CULTURA DA PITAYA EM SANTA CATARINA

Introdução

O cultivo da pitaya teve avanço em pesquisa na última década, quando despertou a atenção dos produtores brasileiros, principalmente devido a sua rusticidade e precocidade de produção. Originária da América, a cultura é baseada em quatro espécies (Hylocereus undatus, H. polyrhizus, H. setaceus e H. megalanthus), que diferem entre outros aspectos, quanto ao tipo de fruto produzido, sendo a pitaya vermelha de polpa branca (H. undatus) a mais cultivada no Brasil (SILVA, 2014).
No Brasil, existem pequenas áreas de produção de pitaya, situadas principalmente no Estado de São Paulo, localizadas na região de Catanduva. Devido à elevação do consumo de frutas exóticas e ao seu valor comercial, surgiu interesse por parte dos fruticultores no plantio e cultivo desta frutífera. Na região Sudeste, a produção dos frutos ocorre durante os meses de dezembro a maio. A produtividade média anual é de 14 toneladas de fruto/ha (Bastos et al., 2006). Em Santa Catarina, o Sul do Estado é a maior região produtora com período de colheita entre dezembro e maio. Além do valor nutricional e funcional de seus frutos, algumas espécies apresentam potencial para ornamentação, o que agrega ainda mais valor ao cultivo desta cactácea (GOMES, 2014).
Segundo Mizrahi e Nerd (1999), as condições ideais são as temperaturas entre 14 e 26ºC, sombreamento de 40 a 60% e solos com pH entre 5,5 e 6,5. Para H. undatus, temperaturas abaixo de -2,5ºC e acima de 45ºC são limitantes, causando a morte das plantas. O desenvolvimento da espécie é melhor quando cultivadas em condições de temperaturas médias diurnas de 30ºC e noturnas de 20ºC (NOBEL, 2002 apud SILVA, 2014). A pitaya é considerada de dias longos. No hemisfério Sul, o florescimento se dá de novembro a abril.
Pitaya (H. undatus) é um cacto de clima tropical, resistente ao estresse hídrico e adaptado a temperaturas médias entre 21 e 29ºC. Em H. megalanthus os melhores resultados de cultivo foram obtidos em temperaturas entre 18 a 25ºC (ORTIZ-HERNÁNDEZ e CARRILLO-SALAZAR, 2012). Por outro lado, temperaturas abaixo de -1.3ºC danificam os clorênquimas das células de H. undatus (NOBEL e DE LA BARRERA, 2004).
De forma geral, os cactos apresentam danos ou injúrias quando submetidos a temperaturas inferiores a -2ºC e frequentemente morrem quando expostos a -4 ºC (TOHMSON, 2002 apud MERTEN, 2003). O objetivo deste trabalho foi analisar os riscos climáticos à cultura da pitaya em Santa Catarina, com base nas variáveis agroclimáticas indicadas pela literatura.

Resumo

O cultivo da pitaya é uma excelente opção para o produtor, bem como para o consumidor, devido ao alto preço pago pela fruta, aliado aos benefícios do seu consumo. Além do valor nutricional e funcional de seus frutos, algumas espécies apresentam potencial para ornamentação. A diversidade em microclimas existentes em Santa Catarina favorece o cultivo de diversas espécies, entre elas, as cactáceas. O objetivo deste trabalho foi analisar os riscos climáticos à cultura da pitaya em Santa Catarina, com base nas variáveis agroclimáticas indicadas pela literatura. Para delimitação de áreas e definição de classes de risco das variáveis agroclimatológicas, foi considerado o risco de ocorrência de temperatura mínima igual ou inferior a -2 ºC durante o ciclo da cultura com probabilidade de ocorrência acima de 20% e temperatura média anual igual ou inferior a 17 ºC. A cultura da pitaya tem possibilidade de cultivo no estado de Santa Catarina em áreas sem o risco de geadas acima de 20% de probabilidade.

Objetivos

O objetivo deste trabalho foi analisar os riscos climáticos à cultura da pitaya em Santa Catarina, com base nas variáveis agroclimáticas indicadas pela literatura.

Material e Método

Para delimitação de áreas e definição de classes de risco no processo de mapeamento das variáveis agroclimatológicas, foi analisado o fator de risco de ocorrência de geada durante o ciclo da cultura e temperatura média anual. A precipitação não foi considerada como risco climático, pois pelos dados de exigência hídrica pela cultura relatados em bibliografia, em Santa Catarina a climatologia mostra não haver restrição hídrica nos níveis exigidos pela cultura. Os parâmetros de risco foram obtidos por equações de estimativa em função de latitude, longitude e altitude: i. Temperatura média anual igual ou inferior a 17 ºC (MASSIGNAM e PANDOLFO, 2006); ii. Risco de Geada- temperatura mínima igual ou inferior a -2ºC (PANDOLFO et al., 2017) durante o ciclo da cultura, com probabilidade de ocorrência acima de 20%. O mapeamento foi realizado com resolução espacial de 90 m, utilizando a base no modelo digital de elevação (MDE) SRTM - Shuttle Radar Topography Mission (USGS, 2006) e processadas no software QGIS 10.6.

Resultados e discussão

O critério de temperatura média anual foi utilizado para definir em termos gerais o enquadramento das temperaturas disponíveis no estado de Santa Catarina dentro dos limites favoráveis de temperatura para desenvolvimento da espécie (Figura 1).



Figura 1. Temperatura média anual ≤ 17 ºC no estado de Santa Catarina.

Nas regiões Planalto Sul, Meio-Oeste e Planalto Norte Catarinense, localidades com cotas superiores a 900m apresentam limitações em relação à disponibilidade de temperatura. Essas regiões apresentam um clima temperado, com verão ameno. As chuvas são uniformemente distribuídas, sem estação seca e a temperatura média do mês mais quente não chega a 22ºC.
O mapa de temperatura mínima igual ou inferior a -2ºC para estimar a ocorrência de geada foi gerado decendialmente, de forma a indicar as regiões onde há possibilidade de cultivo da pitaya. Observa-se na Figura 2, que existe 20% ou mais de probabilidade de ocorrência de geadas moderadas entre os decêndios 18 a 22. Essas regiões devem ser caracterizadas como restritivas ao uso de espécies com baixa ou nenhuma tolerância à geada. Em localidades com altitudes superiores a 800 o risco de geada pode comprometer significativamente o cultivo. Nas regiões onde foram encontrados relatos de cultivo comercial (Oeste e Litoral Sul) não existe risco associado a geada.



Figura 2. Probabilidade de ocorrência de temperatura média das mínimas decendial igual ou inferior a -2ºC, risco acima de 20% (área azul), para o estado de Santa Catarina.

Conclusões/Considerações Finais

A cultura da pitaya tem possibilidade de cultivo no estado de Santa Catarina, devendo ser observadas e respeitadas as regiões que apresentam temperaturas favoráveis ao desenvolvimento da cultura evitando áreas com ocorrência de geada.

Referências Bibliográficas

BASTOS, Débora Costa et al. Propagação da Pitaya 'vermelha' por estaquia. Ciênc. agrotec., Lavras , v. 30,n. 6, p. 1106-1109, Dec. 2006 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-70542006000600009&lng=en&nrm=iso>. access on 07 June 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-70542006000600009
GOMES, G. R. Família Cactaceae: breve revisão sobre sua descrição e importância. Revista Técnico-Científica do CREA-PR – ISSN 2358-5420 – 2.ed. Setembro, 2014, p. 2-10.
MASSIGNAM, A. M.;PANDOLFO, C. Estimativa das médias das temperaturas máximas, médias e mínimas do ar decendiais e anuais do Estado de Santa Catarina. Florianópolis, SC: Epagri, 2006. 26 p. (Documentos, 224).
MERTEN, S. A Review of Hylocereus Production in the Unitd States. J. Pro. Assoc. Cactus Dev., 2003, 5, 98.
NOBEL, P.S., De la BARRERA, E. 2004. CO2 uptake by the cultivated hemiepiphytic cactus, Hylocereus undatus. Annals of Applied Biology 144 (1): 1-8.
ORTIZ-HERNÁNDEZ, Y.D.; CARRILLO-SALAZAR, J.A. Pitahaya (Hylocereus spp.): a short review. Comunicata Scientiae, Teresina, v.3. n.4, p.220-237, 2012.
PANDOLFO, C.;RICCE, W. S.;VIANNA, L. F. N.;MASSIGNAM, A. M. Zoneamento agroclimático do mirtilo irrigado em Santa Catarina. Agropecuária Catarinense, Florianópolis, v. 30, n. 1, p. 84-88, 2017.
USGS. Shuttle Radar Topography Mission. 3 Arc Second, Filled Finished 2.0, Global Land Cover Facility. Jet Propulsion Laboratory, California. California Institute of Technology, feb. 2006.
SILVA, A. Pitaya: melhoramento e produção de mudas. Jaboticabal, 2014. 1 v. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias. Disponível em:< https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/113995/000802273.pdf?sequence=1>.

Palavras Chave

Agrometeorologia, áreas potenciais, Hylocereus sp., zoneamento.

Arquivos

Área

Grupo I: Produção Agrícola (Vegetal)

Instituições

EPAGRI - Santa Catarina - Brasil

Autores

CRISTINA PANDOLFO, WILIAM DA SILVA RICCE, ANGELO MENDES MASSIGNAM, LUIZ FERNANDO NOVAES VIANNA