Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

EFICIENCIA DE FUNGICIDAS REGISTRADOS NO CONTROLE DA FERRUGEM ASIATICA (PHAKOPSORA PACHYRHIZI) NA CULTURA DA SOJA

Introdução

Entre as doenças que afetam a cultura da soja, a ferrugem asiática (Phakopsora pachyrhizi) é considerada uma das mais severas em diversas regiões do Brasil (GODOY, 2009), podendo causar danos entre 10% e 90% (HARTMAN et al., 2015). A doença ocasiona desfolha precoce das plantas, aborto e queda de vagens em estádios de formação dos grãos, tendo reflexos na produtividade dos grãos (YORINORI et al., 2009). Uma das estratégias de manejo para reduzir os riscos de perdas causados pela ferrugem, é a utilização do controle químico, contudo, existem diferenças dos fungicidas em relação a eficiência de controle desta doença.

Resumo

Com o objetivo de avaliar a eficiência de fungicidas no controle da ferrugem da soja, um ensaio, que faz parte dos ensaios cooperativos coordenados pela Embrapa, foi conduzido em Luís Eduardo Magalhães/BA, em DBC contendo dezesseis tratamentos e quatro repetições, que constaram: T1) Testemunha; T2) Aproach Prima (0,3L/ha); T3) Sphere Max (0,2L/ha); T4) Nativo (0,5L/ha); T5) Fox (0,4L/ha); T6) Fusão (0,725L/ha); T7) Fezan Gold (2,5L/ha); T8) Audaz (1,2L/ha); T9) Blavity (0,3L/ha); T10) Elatus (0,2L/ha); T11) Vessarya (0,6L/ha); T12) Orkestra SC (0,35L/ha); T13) Ativum (0,8L/ha); T14) Fox Xpro (0,5L/ha); T15) Cronnos (2,5L/ha); T16) Programa. Foram avaliados: a) severidade da doença: escala de Canteri e Godoy (2003); b) eficiência de controle: fórmula de Abbott (1925); c) AACPD: calculada utilizando a equação de Campbell & Madden (1990); d) desfolha: com a escala de Hirano et al. (2010); e) massa de 1000 grãos e, f) produtividade. Os dados foram submetidos à análise estatística por meio do Teste de Scott-Knott a 5% de significância. Entre os tratamentos, houve diferenças estatísticas na severidade da doença e a AACPD da ferrugem na Testemunha foi superior aos demais tratamentos (T1= 473). A maior desfolha ocorreu no T1, T2 e T12. A maior massa de grãos foi obtida no T8, T9 e T16 e, a maior produtividade no T8, T11 e T16. A aplicação de fungicidas, é importante para manter baixa a severidade das doenças, pois esta influencia na produtividade de grãos.

Objetivos

O objetivo deste trabalho foi avaliar a eficiência de diferentes fungicidas no controle da ferrugem asiática na cultura soja em Luís Eduardo Magalhães, região oeste da Bahia, na safra 2020/2021.

Material e Método

O ensaio foi conduzido no ano agrícola 2020/2021 em condições de sequeiro na Estação Experimental da Círculo Verde, localizada no município de Luís Eduardo Magalhães/BA. O delineamento experimental utilizado foi blocos casualizados, com 16 tratamentos e quatro repetições (Tabela 1). Foram realizadas três aplicações em intervalos de 15 dias, nos estádios R2, R3 e R5.3, iniciando aos 52 dias após a emergência (DAE). As parcelas foram demarcadas em uma área comercial de soja, após o estabelecimento da cultura. A semeadura foi realizada em 31 de dezembro de 2020, utilizando-se a cultivar M8349 IPRO, por ser representativa na região. Para as aplicações dos produtos, foi utilizado pulverizador costal pressurizado com CO2 e volume de calda equivalente a 150L/ha.
Foram avaliados: a) severidade da doença: estimativa da porcentagem da área foliar coberta por sintomas da doença, em 10 folíolos coletados na metade inferior da planta, utilizando para a ferrugem a escala de Canteri e Godoy (2003) em pré-spray e aos 7 e 14 dias após a última aplicação dos tratamentos; b) eficiência de controle: calculada pela fórmula de Abbott (1925); c) área abaixo da curva de progresso da doença (AACPD): calculada utilizando a equação de Campbell & Madden (1990); d) desfolha: estimada em R6, com a escala de Hirano et al. (2010); e) massa de 1000 grãos: pesagem de duas amostras de 100 sementes/parcela e correção da umidade a 13% e f) produtividade: pesagem das sementes provenientes de cada parcela, transformação dos dados para kg/ha e correção da umidade a 13%. Os dados foram submetidos à análise estatística por meio do Teste de Scott-Knott a 5% de significância.

Resultados e discussão

A ferrugem foi detectada a partir da segunda aplicação dos tratamentos na Testemunha (T1), sendo estimada em 1,2%. Aos 7DA3, as menores severidades da ferrugem ficaram entre 5,1% e 11,0%, sendo estimada nos tratamentos T5, T8, T9, T10, T11, T13, T14, T15 e T16. Nos tratamentos T3, T4, T6 e T7, a severidade da ferrugem variou de 12,2% a 15,9%, consideradas intermediárias, enquanto, a severidade no T1, estimada em 20,1% foi a maior entre todos os tratamentos não diferindo do T2 e T12. O controle entre os tratamentos que apresentaram as menores severidade, variou de 46% a 75%, sendo os fungicidas T8, T9, T14, T15 e T6 os que proporcionaram controle da ferrugem ≥ 70%. Aos 14DA3 a severidade da ferrugem na Testemunha (T1) alcançou 48,1%, sendo a maior entre todos os tratamentos (Tabela 2). Os tratamentos que apresentaram menor severidade da ferrugem na avaliação anterior, continuaram com a menor severidade (5,9% a 13,3%), sendo o controle da doença entre 72% e 88%. O T10, teve sua severidade estimada em 18,1%, considerada intermediária e, semelhante aos tratamentos T4= 18,8%, T6= 19,2% e T7= 18,2%. Os tratamentos T2=24,2%, T3=23,9% e T12=28,4%, tiveram as maiores severidades nos tratamentos com fungicidas. Quanto à área abaixo da curva de progresso da doença (AACPD), a Testemunha apresentou o maior valor (T1= 473), diferindo significativamente dos demais tratamentos, que apresentaram valores inferiores a este, sendo os menores no T8, T9, T14, T15 e T16 (Tabela 2).
A desfolha na Testemunha foi a maior (T1= 89%) entre os tratamentos, sendo semelhante ao T2 com 84% e ao T12 com 86%, enquanto as menores, foram obtidas com aplicações dos fungicidas dos tratamentos T14=35%, T15=24% e T16=29%. Os demais tratamentos apresentaram valores intermediários, com desfolha entre 40% e 58% e entre 68% e 75%. A maior massa de 1000 grãos foi obtida nos tratamentos T8, T9 e T16, enquanto, os grãos mais leves, nos tratamentos T1, T2 e T12. Os demais tratamentos tiveram a massa de 1000 grãos intermediária entre os tratamentos anteriormente citados. As maiores produtividades foram obtidas nos tratamentos T8, T11 e T16, e as menores ao T1 e T12, sendo obtidos valores intermediários a estes no demais tratamentos (Tabela 2).

Conclusões/Considerações Finais

Nas condições em que foi conduzido o ensaio, pode-se concluir que: a) menores severidades da ferrugem são verificadas em plantas tratadas com Audaz, Blavity, Cronnos, Fox Xpro e o Programa Fungicida sendo obtido controle sempre ≥ 70% até 88%; b) menores desfolhas são obtidas com aplicações de Fox Xpro, Cronnos e o Programa Fungicida; c) maior massa de 1000 grãos é verificada em plantas tratadas com Audaz, Blavity e o Programa Fungicida; d) maiores produtividades são verificadas em plantas tratadas com Audaz, Vessarya e o Programa Fungicida.

Referências Bibliográficas

ABBOTT, W.S. A method of computing the effectiveness of an insecticide. Journal of Economic Entomology, College Park, v.18, p.265-266, 1925.

CANTERI, M. G.; GODOY, C. V. Escala diagramática para ferrugem da soja (P. pachyrhizi). Summa Phytopathologica, Araras, v.1, p.32, 2003.

GODOY, C. V. Eficiência de novos fungicidas no controle da ferrugem asiática da soja, em Londrina, PR. Embrapa Soja. Documentos / Embrapa Soja, n.317p.202-207, 2009 (Versão eletrônica ISSN 2176-2937).

HARTMAN, G. L.; SIKORA, E. J.; RUPE, J. C. Rust. In: HARTMAN, G. L.; RUPE, J. C.; SIKORA, E. J.; DOMIER, L. L.; DAVIS, J. A.; STEFFEY, K. L. (Ed.). Compendium of soybean diseases and pests. 5th ed. Saint Paul: APS Press, 2015. p.56-59.

HIRANO, M.; HIKISHIMA, M.; SILVA, A. J. da; XAVIER, S. A.; CANTERI, M. G. Escala diagramática para desfolha em soja. Summa Phytopathologica, Botucatu, v.36, n.3, p.248-250, 2010.

YORINORI, M. A.; SATO, L. N.; UTIAMADA, C. M. Eficiência de novos fungicidas para controle ferrugem asiática da soja, em Londrina, PR. Tagro. Documentos / Embrapa Soja, n.317, p.193-199, 2009 (Versão eletrônica ISSN 2176-2937)

Palavras Chave

AACPD, Glycine max, produtividade, severidade.

Arquivos

Área

Grupo I: Produção Agrícola (Vegetal)

Autores

ANGELA BERNARDINO BARBOSA, GILVAN RODRIGUES DA SILVA, AUGUSTO JORGE CARDOZO CAETANO, MÔNICA CAGNIN MARTINS, MARCO ANTONIO TAMAI