Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

EFICIENCIA DE FUNGICIDAS QUANDO APLICADOS NO ESTADIO VEGETATIVO NO CONTROLE DE DOENÇAS FOLIARES NA CULTURA DA SOJA

Introdução

As doenças estão entre os fatores que limitam a produtividade da cultura da soja, com perdas anuais estimadas de 15% a 20%, podendo algumas doenças causar perdas de até 100%, dependendo das condições climáticas da safra e da região de ocorrência (TECNOLOGIAS..., 2020). Entre as doenças da soja, está incluída a mancha alvo causada pelo fungo Corynespora cassiicola que infecta mais de 400 espécies de plantas (FARR; ROSSMAN, 2019), entre elas a soja e o algodão, que são culturas de grande importância no oeste da Bahia, perfazendo 78% da área cultivada na região (AIBA, 2021).
O dano causado por esta doença é a diminuição na produtividade de grãos, pois, quando a doença ocorre nas folhas, o resultado pode ser a desfolha prematura; quando ocorre nas raízes pode ser observado o apodrecimento e, quando a infecção é nas sementes, pode ser verificado a abertura das vagens (AMTHAUER, 2015). As perdas podem alcançar até 50% (GODOY et al., 2018). Deste modo, visando reduzir e/ou evitar perdas na produtividade, várias estratégias são recomendadas para o controle desta doença, como: uso de cultivares resistentes, tratamento de sementes, rotação/sucessão de culturas com milho e espécies gramíneas e, o uso de fungicidas (GODOY et al., 2018), sendo este último, o mais utilizado pelos produtores. No entanto, existem diferenças dos fungicidas em relação a eficiência de controle da mancha alvo, o que segundo Campos et al. (2005) pode ser atribuído a diferença de isolados presentes em cada região.
Assim, o objetivo deste trabalho foi avaliar a eficiência de diferentes fungicidas aplicados no estádio vegetativo para o controle do complexo de doenças na cultura da soja em Luís Eduardo Magalhães/BA.

Resumo

O objetivo do trabalho foi avaliar a eficiência de fungicidas aplicados no estádio vegetativo para o controle do complexo de doenças na cultura da soja em Luís Eduardo Magalhães/BA. O delineamento foi de blocos ao acaso com seis tratamentos e quatro repetições, sendo: T1) Testemunha Absoluta (sem aplicação de fungicidas); T2- Testemunha Vegetativo (sem aplicação de fungicidas no estádio vegetativo); T3) Score Flexi; T4) Nativo; T5) Orkestra SC e T6) Armero, sendo que os tratamentos de T2 a T6 receberam Elatus + Bravonil 720 em R1, Fox Xpro em R1 + 15 e Cronnos em R1 +30. Para aplicação dos tratamentos utilizou-se uma barra de CO2 e volume de calda de 150L/ha. As parcelas foram de seis linhas de sete metros e 0,50m de espaçamento entre linhas. Utilizou-se a cultivar C2827 IPRO semeada em 08/11. Foram avaliadas a severidade das doenças, AACPD, desfolha, massa de 1000 grãos e produtividade. A mancha alvo foi menor nos tratamentos que receberam fungicidas, assim como a desfolha que variou de 56% a 90%. A massa de 1000 de grãos variou de 149g a 164g, sendo maior nos tratamentos com fungicidas. Os tratamentos foram semelhantes na produtividade que variou de 4.292 kg/ha a 4.597 kg/ha. As menores severidades da mancha alvo e menor desfolha são obtidas quando a primeira aplicação é realizada em V6; maior massa de 1000 grãos é obtida com aplicação de fungicidas e, a produtividade de grãos não é influenciada pela aplicação de fungicidas quando a ocorrência da doença é tardia.

Objetivos

O objetivo deste trabalho foi avaliar a eficiência de diferentes fungicidas aplicados no estádio vegetativo para o controle do complexo de doenças na cultura da soja em Luís Eduardo Magalhães/BA.

Material e Método

O ensaio foi conduzido durante a safra 2020/2021 em uma fazenda localizada no município de Luís Eduardo Magalhães/BA adotando-se o delineamento experimental de blocos casualizados com seis tratamentos e quatro repetições. Os tratamentos foram: T1) Testemunha Absoluta, sem aplicação de fungicidas; T2) Testemunha Vegetativo, sem aplicação de fungicidas em V6; T3) Score Flexi (0,2 L/ha) aplicado em V6; T4) Nativo (0,5 L/ha) + Aureo (0,25% v/v) aplicado em V6; T5) Orkestra SC (0,3 L/ha) + Assist (0,5 L/ha) aplicado em V6 e T6) Armero (2,25L/ha) + Rumba (0,25L/ha) aplicado em V6. Os tratamentos T2 a T6 receberam aplicações de Elatus 0,2 kg/ha + Ochima (0,25 L/ha) + Bravonil 720 (1,5 L/ha) no estádio R1; Fox Xpro (0,5 L/ha) + Aureo (0,25% v/v) em R1 + 15 dias e, Cronnos (2,25 L/ha) + Rumba (0,5%v/v) em R1 + 30. Para aplicação dos tratamentos foi utilizada uma barra de CO2 composta por quatro pontas de pulverização Magnum 110015 espaçadas em 0,50m e volume de calda equivalente a 150L/ha. As parcelas foram constituídas por seis linhas de sete metros de comprimento e 0,50m de espaçamento entre linhas, sendo considerada como área útil as quatro linhas centrais com seis metros de comprimento. Estas foram demarcadas após a semeadura da cultivar de soja C2827 IPRO, realizada no dia 08/11 com semeadora-adubadora.
Foram avaliadas: a) severidade das doenças: estimada em 10 folíolos coletados na metade inferior da planta, utilizando a escala de Soares et al. (2009). Avaliação realizada em pré-spray das aplicações e aos 15 e 21 dias após a última aplicação dos tratamentos; b) área abaixo da curva de progresso da doença: de acordo com a fórmula de Campbell & Madden (1990); c) desfolha: estimada no estádio R6; d) massa de 1000 grãos: pesagem de quatro amostras de 100 sementes/parcela e correção da umidade para 13% e e) produtividade de grãos: determinada após a colheita das plantas da área útil da parcela e trilha manual, correção da umidade para 13% e transformação dos dados de kg/parcela para kg/ha.
Os dados obtidos para as variáveis estudadas na área útil de cada parcela foram submetidos à análise estatística por meio do Teste de Scott-Knott a 5% de significância, para comparação de médias.

Resultados e discussão

A doença predominante no ensaio foi a mancha alvo (Corynespora cassiicola), que foi observada no ensaio no momento da terceira aplicação dos tratamentos (0DA3), sendo seu progresso mais acentuado a partir dos 15 dias após a quarta aplicação dos fungicidas (15DA4), quando a severidade estimada na Testemunha Absoluta (T1), que não recebeu aplicação de fungicidas foi igual a 12,9% e, aos 21DA4 igual a 29,0% (Tabela 1).
Os tratamentos que receberam fungicidas (T2 a T6) foram eficientes em manter a mancha alvo com severidade inferior a não aplicação destes produtos (T1- Testemunha Absoluta), como pode ser visualizado nas avaliações de severidade realizada na quarta aplicação (0DA4) e aos 15 e 21 dias após esta aplicação (15DA4 e 21DA4) (Tabela 1). Considerando a área abaixo da curva de progresso da doença (AACPD), que resume as severidades ao longo do tempo em um único valor, observa-se que todos os tratamentos que receberam fungicidas desde o estádio V6 (T3 a T6) tiveram valores da AACPD entre 94 e 113, sendo estes os menores valores entre todos os tratamentos, significativamente inferiores à Testemunha Vegetativo (T2= 158), que por sua vez foi estatisticamente inferior a Testemunha Absoluta (T1= 277), como apresentado na Tabela 1.
A desfolha estimada nas plantas de soja no estádio R6 variaram de 56% a 90%. A aplicação de Score Flexi (T3), Nativo (T4), Orkestra SC (T5) e Armero (T6) resultaram em menor desfolha das plantas, respectivamente igual a 60%, 54%, 56% e 56%. Quando não foi aplicado fungicida no estádio V6 (T2- Testemunha Vegetativo) a desfolha foi igual a 73% e considerada intermediária, sendo significativamente superior aos tratamentos T3, T4, T5 e T6 e, significativamente inferior a Testemunha Absoluta (T1), que não recebeu aplicação de fungicidas em nenhum momento e teve desfolha de 90% nesta data.
Em relação a massa de 1000 grãos, os tratamentos que receberam a primeira aplicação de fungicidas no estádio vegetativo (T3, T4, T5 e T6) ou no estádio reprodutivo (T2) tiveram os grãos com 159g (T3- Score Flexi), 164g (T4- Nativo), 159g (T5- Orkestra SC), 160g (T6- Armero) e 158g (T2- Testemunha Vegetativo), sendo estes significativamente superior a não aplicação de fungicidas (T1- Testemunha Absoluta= 149g).
Mesmo com as diferenças significativas registradas na severidade da mancha alvo, na desfolha das plantas e na massa de 1000 grãos, os tratamentos não influenciaram na produtividade de grãos, sendo obtido 4.292 kg/ha no T1, 4.335 kg/ha no T2, 4.337 kg/ha no T3, 4.597 kg/ha no T4, 4.388 kg/ha no T5 e 4.432 kg/ha no T6. Mesmo com a igualdade na produtividade observou-se que houve aumento neste parâmetro quando se comparou os tratamentos com a Testemunha Absoluta (T1, sem aplicação de fungicidas) e, esse aumento relativo na produtividade foi de 1,0% para a Testemunha Vegetativo (T2), 1,1% para o Score Flexi (T3), 7,1% para o Nativo (T4), 2,2% para o Orkestra SC (T5) e 3,3% para o Armero (T6). Um dos fatores para a igualdade na produtividade de grãos nos diferentes tratamentos pode ter sido ocasionado pelo aparecimento e evolução tardia da mancha alvo no ensaio, quando os grãos já estavam formados (após o estádio R6).

Conclusões/Considerações Finais

Com base nos resultados obtidos pode-se concluir que: a) os fungicidas são importantes para a manutenção da mancha alvo em baixa severidades. As menores severidades são obtidas quando a primeira aplicação é realizada no estádio vegetativo (V6) quando comparada a primeira aplicação no estádio reprodutivo (R1); b) menor desfolha das plantas de soja são obtidas quando a primeira aplicação dos fungicidas é realizada no estádio vegetativo (V6); c) maior massa de 1000 grãos é obtida com aplicação de fungicidas, independente da primeira aplicação ter sido realizada no estádio vegetativo (V6) ou no reprodutivo (R1) e d) a produtividade de grãos não é influenciada pela aplicação de fungicidas quando a ocorrência da doença é tardia.

Referências Bibliográficas

AIBA - ASSOCIAÇÃO DE AGRICULTORES E IRRIGANTES DA BAHIA. Levantamento de safra: 1º Levantamento para a safra 2020/21. Disponível em: <https://aiba.org.br/levantamento-de-safra/>. Acesso em: 27 abr. 2021.

AMTHAUER, J. A. de S. Controle químico de Corynespora cassiicola em cultivares de soja no município de Rio Verde – Goiás. 2015. 54f. Dissertação (Mestrado em Produção Vegetal) - Universidade de Rio Verde, Campus Rio Verde, Goiás, 2015.

CAMPOS, H. D.; SILVA, L. H. C.; SILVA, J. R. C. Guia de identificação de doenças da soja. Rio Verde: FESURV, 2005. 62p.

CAMPBELL, C. D.; MADDEN, L. V. Introduction to plant disease epidemiology. New York: J. Willey, 1990. 532p.

FARR, D. F.; ROSSMAN, A. Y. Fungal databases. IN: U.S. National Fungus Collections., USDA, ARS, 2019. Disponível em: <https://nt.ars-grin.gov/fungaldatabases/>. Acesso em: 9 jun. 2019.

GODOY, C. V. et al. Eficiência de fungicidas para o controle da mancha alvo, Corynespora cassiicola, na cultura da soja, na safra 2017/18: resultados sumarizados dos ensaios cooperativos. Londrina: Embrapa Soja, 2018. 6p.

SOARES, R. M.; GODOY, C. V.; OLIVEIRA, M. C. N. de. Escala diagramática para avaliação da severidade da mancha alvo da soja. Tropical Plant Pathology, v.34, n.5, p.333-338, 2009.

TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO DE SOJA. Londrina: Embrapa Soja, 2020. 347p. (Sistemas de Produção / Embrapa Soja, ISSN 2176-2902, n.17).

Palavras Chave

Glycine max, fitossanidade, Mancha alvo, manejo

Arquivos

Área

Grupo I: Produção Agrícola (Vegetal)

Instituições

Círculo Verde Assessoria Agronômica & Pesquisa - Bahia - Brasil, Universidade do Estado da Bahia - Bahia - Brasil

Autores

GILVAN RODRIGUES DA SILVA, ÂNGELA BERNARDINO BARBOSA, AUGUSTO JORGE CARDOZO CAETANO, MÔNICA CAGNIN MARTINS, MARCO ANTONIO TAMAI